quinta-feira

E de repente aconteceu .
Ela sentou uma profunda tristeza dentro dela, uma sensação de vazio e solidão que não era justificável com a presença de nenhum amigo ou amiga, nenhuma saída desvairada, nenhum desabafo  pela noite tardio, mas pior que isso era ela saber que não era justificável por ninguém.
Ela precisa de alguém que a compreenda, acima de tudo que a aceite, que lhe dê atenção mas ela já nem sequer é capaz de gostar.
Só pedia alguém transparente, que não tivesse medo de mostrar o que sente, que pusesse o orgulho de lado e a deixasse descansar um pouco, de todas as adversidades da vida dela que já  é demasiado dura para quem está a amolecer.
Ela nunca duvidou do amor até o amor lhe provar que não existe.
Até a hipocrisia tomar conta da situação corrente e ela entender que aquilo que ela tinha fosse de quem fosse não era amor, talvez nem sequer considerado sentimento .
Talvez ...
Porque dar segundas ou terceiras oportunidades a pessoas que só aprendem a amar quando perdem?
Ou por amar quem  não conhece essa palavra?
Porque reforçar sentimento num círculo que não o pratica?
Talvez porque aceitou aquilo que não merecia, porque se remediou com o pouco que lhe iam dando, talvez porque não tinha noção do que queria e se concentrou demasiado no que não queria?
Talvez..
Assustadoramente, ela está cansada. Desacreditada. Mais do que alguma vez esteve sabes?
Cada vez mais sente que há um fim de algo que nem ela própria compreende mas sabe que é algo eminente e isso assusta-a porque já à muito tempo que ela desistiu de ti, de vocês , de toda a gente que não lhe serve, não a faz crescer e muito menos a faz feliz.

Sem comentários:

Enviar um comentário

"Não há erro que possa ser útil, nem verdade que possa prejudicar."
Joseph de Maîstre